“Não posso comer fruta a seguir ao prato das refeições principais porque engordo …” 🍍🍌💙

“Não posso comer fruta a seguir ao prato das refeições principais porque engordo …” 🍍🍌💙

Existem algumas ideias que se têm mitigado em relação à ingestão de fruta, como por exemplo “comer fruta no final da refeição principal engorda” ou simplesmente evita-se o seu consumo “porque engorda porque tem muito açúcar”.

Tal como já mencionado anteriormente, é essencial desmistificar que a ingestão de fruta promoverá aumento ponderal, independentemente do momento da refeição em que é ingerida tal não ocorrerá, dado que o valor energético não se altera.

Sobretudo, no caso de elaboração e cumprimento de plano alimentar estruturado e personalizado, tendo em conta as necessidades energéticas e nutricionais individuais, onde se procederá à distribuição dos grupos alimentares ao longo do dia, sem ultrapassar as necessidades energéticas, o que automaticamente impede o ganho ponderal.

Posteriormente, a ingestão de fruta quer nas refeições principais quer nas intermédias, não provoca aumento de volume abdominal e muito menos promove o ganho de peso. De facto, a fibra contida na fruta será fermentada pela flora bacteriana a nível intestinal, o que poderá promover algum aumento do volume abdominal, mas temporário, passando a maioria das vezes totalmente despercebido. Acontecimento este, que ao contrário do que se propaga, é benéfico e sinónimo de uma flora intestinal saudável.

Portanto, não só pode, como deve consumir entre 3 a 5 peças de fruta por dia, de modo a obter a quantidade de micronutrientes e fibra necessárias. Geralmente, as crianças devem ingerir cerca de 3 peças de fruta por dia, mulheres adultas 4 e homens adultos 5.

Porém, o número e a quantidade de fruta a ingerir por dia serão prescritas no plano alimentar, tendo também em conta as preferências individuais e eventuais patologias, como por exemplo doenças renal crónica, hipertriglicerídemia e hiperuricemia, nas quais o cuidado deve ser redrobado não apenas com a quantidade ingerida, mas também com as frutas que podem ou não ser ingeridas.

Posteriormente, é de salientar a importância de ingerir fruta da época, acima de tudo por 4 motivos enumerados a seguir:

  1. Sempre que possível compre os seus alimentos a produtores locais:
    • Economia local
    • Redução da pegada ecológica
  2. Dê preferência a alimentos frescos, locais e da época:
    • Março:
      • Amora
      • Ananás dos Açores
      • Banana da Madeira
      • Kiwi
      • Laranja
      • Maçã
      • Pera
      • Tangerina
  3. Características organoléticas superiores quando comparadas às frutas que encontra nos supermercados durante todo o ano, quer em termos de paladar, odor e cor
  4. Composição nutricional superior, apresentando maior teor em compostos antioxidantes

Falando especificamente de 3 frutas do presente mês, o ananás, as amoras e a banana em termos energéticos e nutricionais, poder-se-à dizer que em valores médios 100 g de ananás equivalem a 100 g de amoras e equivalem a 50 g de banana, no que concerne a quantidade de hidratos de carbono e energia fornecidos, ou seja, cerca de 10 g de hidratos de carbono e cerca de 50 kcal, respetivamente.

Claro que, quando se fala em micronutrientes de determinada fruta irá fornecer maior ou menor quantidade de determinada vitamina e/ou mineral.

Se não vejamos:

Relativamente, ao ananás natural apresenta um elevado teor em água e um valor energético reduzido. No entanto, é de evitar o consumo de ananás de conserva, dado que a calda necessária à sua conservação é feita de açúcar, elevando significativamente o valor energético (91 kcal/100 g).

No que concerne os nutrimentos naturalmente presentes neste alimento são destacar o conteúdo em vitamina C (16 mg/100 g) , potássio (160 mg/100 g), magnésio (13 mg/100 g), e ainda um teor moderado em fibra (1,2 g/100 g).

Para além das propriedades antioxidantes, advindas da vitamina C, é ainda de elencar a riqueza em enzimas proteolíticas, nomeadamente a bromelaína, que facilita a digestão, atuando como anti-inflamatória.

Quanto às amoras é de salientar a elevada quantidade em fibra, 5,3 g/100 g, em vitamina K (importante na coagulação sanguínea), 19,8 mcg, em folatos, 25 mcg/100 g, Vitamina C (antioxidante), 21 mg/100 g e também em potássio, cerca de 210 mg por 100 g de amoras.

No que diz respeito a banana, em termos nutricionais por cada 100 g tem cerca de 20 g de hidratos de carbono, 3,1 g de fibra, 425 mg de potássio, 28 mg de magnésio, 14 µg de folatos e 0,29 mg de vitamina B6.

O elevado teor em fibra, colmata a quantidade elevada de hidratos de carbono, uma vez que atrasa o esvaziamento gástrico reduzindo o impacto glicémico.

Acrescentando ainda, que a fermentação das fibras a nível intestinal melhora a capacidade de absorção de cálcio.

O potássio apresenta algumas funções importantes no organismo, desde a regulação da tensão arterial, a contração muscular e também potencial diurético.

Por sua vez, o magnésio, contribui para uma eficaz transmissão e atividade neuromuscular, sendo crucial em diversas reações metabólicas.

Por último, o ácido fólico, como já descrito em artigos anteriores, é extremamente importante na formação do tubo neural, razão pela qual ocorre aumento da necessidade desta vitamina durante a gestação.

Porém, importa mencionar que a composição nutricional de todas as frutas irá variar consoante a altura de colheita, pelo que a densidade nutricional melhora consideravelmente nas últimas fases de maturação, razão pela qual, uma vez mais, deve preferir fruta da época.

Texto adaptado de: Ananás | Amoras | Banana | TCAP

Fonte da Imagem: Frutas


Achou interessante? Partilhe este artigo:


Ao continuar a visitar este website está a concordar com a utilização de cookies. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close